Arquivo

Posts Tagged ‘Muricy’

Descoberta a tática de Juvenal Juvêncio para lutar pelo Hepta

Ah, então esse era seu planinho sujo né Jay Jay?

Acho que os Palmeirenses não vão gostar…

Anúncios

Palmeiras vacila pela terceira vez seguida

De novo. O Palmeiras empata e acaba permitindo que seus rivais tirem mais dois pontos na luta pela liderança e já não é mais o líder prático do campeonato. Numericamente sim, mas o Internacional tem 4 pontos e dois jogos a menos.

Para piorar, o São Paulo joga com o lanterna e o Goiás pega o irregular Vitória em casa. Ou seja, tudo conspira para que esses dois times vençam nesta rodada. Se isso acontecer, o Goiás ficaria a dois pontos do Palmeiras e o São Paulo a quatro pontos.

Não preciso lembrar o que aconteceu em 2008 não é? O Grêmio atropelou na primeira parte do campeonato e depois caiu ladeira abaixo. Só foi vice-campeão porque a distancia para os outros era enorme. Mas de quem é a culpa pela fase do Palmeiras? Bom, de quem é eu não sei. Mas desde que Muricy chegou o time verde não se encontrou mais. Com o treinador no comando, o Palmeiras ainda não perdeu. Porém não conseguiu marcar mais do que um gol por partida. Isso quer dizer que quando o adversário sai na frente, o time não tem forças pra virar.

A situação é preocupante para o Palmeiras. Na primeira rodada do segundo turno vai enfrentar o desesperado Coritiba. Tem tudo pra vencer, mas com o Coxa tudo pode acontecer. É bom o time do Parque Antarctica começar a reagir, pois Inter, Goiás, Galo e São Paulo estão prontos pra dar o bote.

A dúvida do Interino

Normalmente o treinador interino assume o time numa fria. Um treinador renomado acaba de ser demitido e enquanto um novo comandante não assume o interino segura a bomba. Pra muitos, a chance única de se destacar dirigindo um time grande. Pra outros, uma responsabilidade maior do que suas capacidades. Mas nesse campeonato brasileiro vai ser interessante acompanhar o resultado de ações diferentes, de diretorias de dois times diferentes em situações idênticas.

O Flamengo demitiu Cuca e como é de praxe a alguns anos, Andrade assumiu. Inicialmente seria por alguns jogos, mas com o ex craque o rubro-negro caminhou. Passou a vencer, a jogar melhor e a torcida pediu que a diretoria efetivasse Andrade como treinador principal da equipe. O Flamengo está brigando pelo G-4, melhor do que estava quando Cuca era o técnico.

Já o Palmeiras demitiu Luxemburgo e colocou o auxiliar Jorginho em seu lugar. Com ele no comando o time verde passou a voar em campo. Jogou muito bem, goleou o maior rival, colocou Obina na condição de ídolo e o time passou a liderar o campeonato. Foi então que a diretoria contratou Muricy Ramalho para sua vaga. Apesar dos bons resultados, duas vitórias e um empate, a torcida verde reclama do futebol apresentado pela equipe. Ao contrário do tempo em que Jorginho era treinador, o Palmeiras de Muricy passou a ser mais burocrático e já não tem um futebol alegre como antes.

Vários interinos já assumiram a condição de treinadores e acabaram ficando na profissão. O próprio Muricy assumiu depois da saída de Telê Santana. Márcio Bittencourt no Corinthians caminhava a passos largos para ser campeão brasileiro em 2005 depois da saída de Tite, mas a direção do clube preferiu contratar Antonio Lopes na reta final do campeonato. Oswaldo de Oliveira era auxiliar de Luxemburgo, assim como PC Gusmão.

Em fim, será interessante acompanhar essa peculiaridade do campeonato. Quem se dará melhor? O prestigiado Andrade ou o consagrado Muricy?

Como eram os treinadores em seus tempos de boleiros?

Quase todos os treinadores deste brasileiro eram boleiros antes de começar na carreira de técnicos. E muitos deles foram craques de bola. Segue abaixo informações das carreiras como jogadores dos treinadores do brasileirão:

– Pouca gente sabe, mas Antonio Lopes, treinador do CAP foi jogador de futebol entre 1958 e 1962. Jogou no Olaria e no Bonsucesso, mas teve sua carreira interrompida pelos estudos. Mas devia ser um perna de pau, pois não foi aproveitado nos clubes em que atuou.

– Paulo Silas foi um craque. O treinador do Avaí começou sua carreira de jogador no SPFC onde ganhou os paulistas de 85 e 87 e o Brasileiro de 86. Passou ainda por vários clubes em três continentes e conseguiu a proeza de ser um dos únicos brasileiros ídolos na Argentina, ao vestir a 10 do San Lorenzo por tres temporadas. Encerrou sua carreira na Inter de Limeira em 2004

– Estevam Soares, treinador do Barueri, também jogou no tricolor paulista. Era um zagueiro viril e no SPFC foi campeão brasileiro em 77. Começou a carreira no Guarani e encerrou no grande Primavera de Indaiatuba em 1993.

– Mano Menezes do Corinthians era outro zagueirão ruim de bola. Jogou apenas no Guarani de Venancio Aires no RS e ao ver que não tinha sucesso nas quatro linhas, abandonou os gramados pra se dedicar aos estudos. Sábia decisão…

– Renê Simões, hoje no Coritiba foi outro que decidiu abandonar os gramados pra se dedicar aos estudos, mas esse parece que tinha futuro. Ainda jovem foi do São Cristovão pro Flamengo e chegou a jogar também no Bonsucesso, mas preferiu estudar do que ser becão.

– Adilson Baptista, que comanda o Cruzeiro era um baita jogador. Zagueiro que aliava técnica e raça, Adilson iniciou a carreira no CAP, ganhou tudo no Grêmio e se aposentou no Corinthians em 2000. Sofreu com seguidas lesões durante a carreira.

– O comandante do Flamengo, Andrade, foi outro craque. Era um volante extremamente técnico e ganhou tudo pelo rubro-negro. Encerrou a carreira em 96 no Barreira Esporte Clube.

– Renato Portaluppi, treinador do Flu foi outro craque. Começou sua carreira no Grêmio e ainda hoje é o maior ídolo da história do clube. Jogou em vários clubes grandes do Brasil e na Itália, e encerrou a carreira em 99 no Bangu.

– Hélio dos Anjos que hoje faz ótima campanha com o Goiás era um bom goleiro e chegou a jogar até no Flamengo. Mas é no banco de reservas que Hélio alcança notoriedade nacional.

– Tite, treinador do Internacional era um bom meio-campista. Começou sua carreira em Caxias e jogou na Portuguesa e no Guarani, onde foi vice campeão brasileiro em 86 e 87. Aliás, sabem porque Tite adotou o estilo social durante os jogos? Porque quando começou a carreira de treinador, tinha apenas 29 anos e vários de seus comandados foram seus companheiros de equipe. Tite viu nos ternos uma forma de se impor sobre os jogadores. Interessante…

– O treinador do Náutico Geninho foi um goleiro razoável. Começou a carreira no Botafogo de SP em 66 e encerrou no Novo Hamburgo em 1984. Logo em seguida, assumiu o comando do mesmo time que selou sua aposentadoria, inicando assim sua carreira de treinador.

– Muricy Ramalho do Palmeiras jogava como ponta e meia e era um excelente jogador. Iniciou sua carreira no São Paulo e conquistou muitos titulos com o tricolor. Depois de sua passagem vitoriosa pelo Morumbi, Muricy jogou ainda no Puebla do México, mas se aposentou devido a uma sequencia de graves lesões no joelho.

– Alexandre Gallo, o técnico do Santo André, foi um ótimo volante. Começou no Botafogo de SP e jogou em várias equipes, inclusive no SPFC onde foi campeão paulista em 98. Parou de jogar no Corinthians em 2001.

– Vanderlei Luxemburgo do Santos era lateral esquerdo e começou e terminou sua carreira no Botafogo. Jogou também no Flamengo e no Inter neste meio periodo. Era um jogador mediano. Encerrou sua carreira devido a uma grave lesão no joelho.

– Ricardo Gomes, comandante do SPFC foi um excelente zagueiro. Começou no Flu em 82 e jogou por Benfica e PSG, onde encerrou sua carreira em 1996. Jogou a Copa de 90 como capitão da seleção e só não foi ao mundial de 94 como titular, porque sofreu uma lesão muscular no ultimo amistoso antes do embarque para os EUA. Uma pena…
.
– Paulo Cesar Carpeggiani do Vitória era um craque da meia cancha. Era um meia clássico, com dribles curtos e precisos e passes longos de precisão cirúrgica. Jogou no Internacional e no Flamengo, mas foi obrigado a encerrar a carreira prematuramente por conta de uma lesão no joelho.

É Muricy…

Não, a frase que é titulo deste post não é “É Muricy!” e sim um “É Muricy…” Uma frase de quem está saturado, desgastado. O time parou de render, o professor parece não ter mais os jogadores nas mãos. E como já dizia o grande Zagallo, quando isso acontece, é melhor pedir o boné.

O SPFC que empatou por 2 a 2, hoje frente ao CAP é o retrato do time no ano. Um time abatido, desmotivado, sem vontade. E é assim que vamos pra Libertadores.

Pelo bem do SPFC, o bom era uma mudança imediata no comando, na minha opinião. Assim, dá tempo do novo treinador dar gás na equipe pra chegar daqui dez dias contra o Cruzeiro com espírito novo. Esse time não precisa mais se conhecer, não precisa mais de explicações táticas. Só precisa de ânimo. Precisa de uma visão diferente, um novo ambiente.

Isso não vai acontecer, claro. E infelizmente, a cada dia as minhas esperanças quanto a Libertadores diminuem.

Deus queira que eu esteja errado.

Categorias:Brasil, São Paulo Tags:, ,

Isso desanima…

Dois fatos essa semana me deixam de cabelos em pé em relação a temporada são paulina.

Muricy reúne o elenco, o pessoal reclama do posicionamento e ele responde que vai ficar tudo como está. Sabem o que eu fico pensando? O que eles comentam entre eles. Sim, porque os jogadores são amigos e seres humanos. Aquele discurso polido que eles fazem na Tv deve ser totalmente diferente quando estão longe da mídia. E é aí que eu me preocupo.

Claro, ninguém vai fazer corpo mole em jogo decisivo por querer. Mas lá no fundo o cara fica com aquela mágoa. De ter criado coragem pra dizer o que pensava e o treinador não ter feito nada. E olha que o que os jogadores pediram não foi nada absurdo. E isso deixa o torcedor desanimado.

Porque a gente pensa: jogador de futebol é acomodado por natureza! Mesmo jogando mal, não se preocupa. Mas não. O grupo se pronunciou, disse o que pensa que está errado, o que todos nós estamos vendo que complica na hora do “vamos ver” e mesmo assim nada vai mudar.

Outro fato foi o desprezo dos adversários. O Cruzeiro e o Grêmio simplesmente ignoram o SPFC. Já imaginaram como isso é triste? Digo isso porque o Boca Jrs, por exemplo, ganhou vários jogos nos ultimos 5 anos apenas com o nome. Antes de entrar em campo os times já estavam com medo dos Xeneizes e se aproveitando disso, o Boca ganhava, mesmo tendo times abaixo da sua média histórica.

Por um lado, isso mostra como nossa reputação piorou. Por outro, pode motivar ainda mais nosso grupo, que se antes eu pensava que não tinha sangue nas veias, agora ganhou bastante meu respeito por ter tido a atitude de conversar com o “patrão”. E este é um ano decisivo pro SPFC na Libertadores. Nós nunca fomos eliminados em casa na Libertadores (apenas perdemos aquela final pro Vélez) mas por outro lado, já acumulamos três eliminações consecutivas por brasileiros. Um dos dois tabus será quebrado. E eu espero que seja o segundo!

Em fim tricolores, infelizmente tenho que dizer que depois da revelação desta reunião entre jogadores e comissão técnica, e se ela realmente aconteceu, eu estou acreditando muito nos atletas e o Muricy caiu muito no meu conceito. Sei que isso não muda nada pra ele, mas em todo caso, fiquei muito triste com nosso comandante. Mas eu acredito na força do grupo e na camisa forte do tricolor. É nisso que me apoio agora e vamos pra cima deles tricolor!

Saudações a todos!

Categorias:São Paulo Tags:,

Variações táticas

Ok, o Muricy sempre alternou entre o esquema de 2 e 3 zagueiros. Mas sempre fez isso no segundo semestre. E incrivelmente no segundo semestre o time sempre rendeu mais. O que isso quer dizer?

Quer dizer que o SPFC com 3 zagueiros é o mesmo desde 2006. As jogadas já são manjadas. Se você joga com 3 zagueiros, você joga com alas. Com alas e ainda o Jorge Wagner no time, o time fica muito aberto e invariavelmente vai jogar a bola na área. E de 2007 pra cá, esse foi o grande problema do SPFC no primeiro semestre. Falta de criatividade.

A diferença dos outros anos pra esse, é que em 2009 o tricolor varia taticamente. Muda, surpreende o adversário e dá novo gás aos próprios jogadores, que com certeza devem gostar de mudanças.

É certo que o 4-4-2 do Muricy pode virar 3-5-2 rapidinho. Basta que o Zé Luis recue e um dos volantes vá pra ala direita. Mas é certo também, que o SPFC versão 2009 tenta jogadas pelo meio, tabela, troca passes com qualidade, marca e sai jogando com qualidade. É isso que se espera de um candidato a Libertadores. Hoje o SPFC não depende exclusivamente de um jogador como em 2008 e não tem um elenco sem opções como em 2007. O tricolor 2009 pode mudar de postura e formação sem substituições. Tem opções pra jogar com 1, 2 ou 3 volantes, 1, 2 ou 3 atacantes, 1, 2 ou 3 meio campistas. E isso pro treinador é excelente!

Parece que neste primeiro semestre de 2009, finalmente chegamos a um denominador comum entre a vontade do Muricy e as necessidades do SPFC pra ganhar a Libertadores. Posso estar sendo precipitado, mas começo a enxergar um time que será no mínimo finalista da América. Pode anotar!

Categorias:1, São Paulo Tags:, ,